Allan R. Banks (USA) - Hanna

Jorge Humberto


Sent: Sunday, July 03, 2005 1:11 AM
Subject: Depois de ter lido Hanna

Caro amigo Soares, acredites ou não, vou agora, depois de ter lido Hanna, dormir mais descansado, afinal Teófilo também teve o seu sonho, o resultado deste cabe a cada um torná-lo viável, mas estão ambos de parabéns, a personagem e tu

Obrigada por ter enviado.

Amei! adorei cada trecho. E a expectativa ficou para colorir a imaginação.

Abraços e carinhos

Vânia Moreira Diniz

O que será?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Allan R. Banks (USA) - Hanna

 Regina Lyra


Sent: Monday, July 04, 2005 11:30 PM
Subject: Parte de cima. E a de baixo também!

 

Abraço amigo 

Ps: ainda estou em divida contigo, de um livro por enviar

 

   
 
 

 

 

 

 

 

Allan R. Banks (USA) - Hanna

 

 

 

Vânia Moreira Diniz

 

 


Sent: Sunday, July 03, 2005 10:08 AM
Subject: Re: 19ª edição do Jornal/Ecos

Grande Poeta,Vânia Diniz

Querido Soares,

A beleza do conto está exatamente no mistério.

O mistério do sonho, das histórias, das ocorrências.Regina Lyra

Da procura por moça tão bela!

O principal receio daquele que sonhou aqueles traços superiores é não permitir a visão da parte inferior.

Belo momento de encantamento e saudade!

Beijos, Regina Lyra

 

Visite o site: www.reginalyra.net

   
 
 

 

 

 

 

Allan R. Banks (USA) - Hanna

 

 

José Inácio Vieira de Melo


Sent: Tuesday, July 05, 2005 2:01 AM
Subject: Hannah
 

Siarah

Feitosa, depois do teu conto fiquei me sentindo "como um boi no meio da multidão". É como se estivesse de passagemJosé Inácio Vieira de Melo por Teófilo Otoni com todos os profetas do Aleijadinho pendurados no pescoço, carregando uma cruz que só eu sei do peso, tentando esquecer o que está incrustado no meu âmago e, de repente, a verônica desta minha saga é estampada nos meus olhos: Hannah.

E olho bem para Hannah e na verdade da retina desse olhar só vejo Vanessa. E saio pelo meio do mundo acorrentado aos meus êxtases – e todos eles só têm um nome: Vanessa. Hannah – Vanessa. E eu "como quem perde o prumo e desatina".

José Inácio Vieira de Melo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Allan R. Banks (USA) - Hanna

 

Aleilton Fonseca


Sent: Tuesday, July 05, 2005 11:22 AM
Subject: Aleilton escreve

Caríssimo Soares Feitosa:

 Aleilton Fonseca

Ler sua prosa é sempre uma aventura mágica para o leitor.

Você opera com a sugestão, imbrica o texto com a imagem, cria uma sinestesia estonteante. Cresce a sensação narrativa, as palavras vão palpitando, cresce a imagem da musa em rouge.  E, nesse compasso, já amamos Hanna, de Allan R. Banks, mais que seu próprio pai. Ela se torna a nossa nova Gioconda, tão bela e enigmática quanto a diva de Da Vinci. Dá vontade de gritar: "Hanna, meu amor, sai de ti mesma, liberta-te da moldura, e me abraça com teus cabelos".

Aleilton

 

 

 

 

 

 

 

Allan R. Banks (USA) - Hanna

 

 

 

 

 

 

Inez Figueiredo

 


Sent: Monday, July 04, 2005 11:40 AM
Subject: Re

 

A D O R E I !!!!

Gosto muito desta interpenetração entre a literatura e asInez Figueredo outras formas de expressão criativa.Quando leio algo assim sinto-me como um peixe passando de um aquário a outro. Já que o aquário para mim é um ícone de criação.

Falar em criação adorei minha página e me deu vontade de enviar algumas cositas pra ela. Vou mandando, tá bem?

Abração

Inez F.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Allan R. Banks (USA) - Hanna

 

 

 

 

 

 

Mantovanni Colares

 

 


Sent: Tuesday, July 05, 2005 4:53 PM
Subject: Re: A AURORA DE UM NOVO SER...

 

Andarilho,Mantovanni Colares

Agradeço a viagem literária proporcionada no instigante texto. Ele tem o sabor do vento, das quermesses, das pálidas fotografias moldadas pelo tempo, em contrate com a pintura de Hanna, avivada por cores e sabores imaginados.

Você recusa um desfecho. Pensando melhor, des-fecho é a negação (des) do fecho. O prefixo nos trai. Daí que um desfecho é quando se deixa algo aberto, como em sua bela crônica, a nos causar a sensação do gosto na boca jamais experimentado, daqueles carnudos lábios da gravura que se fez encaixe sob a porta de quem há muito esperava um chamado do destino.

Abraços,

Mantovanni

 

 

 

 

 

 

 

Allan R. Banks (USA) - Hanna

 

 

 

Abílio Terra Júnior

 

 


Sent: Tuesday, July 05, 2005 7:32 PM
Subject: Um quadro e suas versões ao passado.
 
 

Caro Poeta Soares,

 

um rosto feminino com uma beleza intrigante, vastosAbílio Terra Junior cabelos, um olhar de jovem que enxerga além do momento um sonho distante, lábios a espera de um beijo: um quadro que Teófilo nunca esqueceu, que cresce aos nossos olhos nos encantando, e que provoca você, nobre Poeta, a indagar dos sonhos de Teófilo, que projetaram um quadro, a tecer um poético texto e até descobrir que o autor desta maravilha foi um certo Mr. Allan Banks e que Hanna é o nome da mulher que neste momento também me fascina.

Um grande abraço,

Abilio Terra Junior   

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Allan R. Banks (USA) - Hanna

 

 

 

 

Antônio Palmeira

 

 


From: palmeira
Sent: Tuesday, July 05, 2005 7:57 PM
Subject: Teófilo & Hanna

Caro Poeta,

 

Quem nunca foi um Teófilo ou quem nunca teve uma Hanna que atire a primeira estrofe...

Abraços fraternais

Antonio Palmeira

São Luís - MA

 

 

 

 

 

 

 

 

Allan R. Banks (USA) - Hanna

 

 

 

Carlos Felipe Moisés

 

 


From: "Carlos Felipe Moisés" <carlos_moises@uol.com.br>
To: <soaresfeitosa@uol.com.br>
Sent: Tuesday, July 05, 2005 5:38 PM
Subject: RES: Atualização

Meu caro Feitosa:Carlos Felipe Moisés

Gostei demais dessa Hanna e acho que entendo bem o drama do Teófilo. Por uma "fessora" dessas, quem não voltaria a ser aluno?

Abraço forte do seu

Carlos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Allan R. Banks (USA) - Hanna

 

 

 

 

André Seffrin


From: "Andre Seffrin" <andreseffrin@uol.com.br>
To: <soaresfeitosa@uol.com.br>
Sent: Wednesday, July 06, 2005 11:20 AM
Subject: Susto!
 

Feitosa, meu caro,

Que belo texto! Um texto que só pode ter a sua assinatura.
Você, como sempre, dá sustos na gente.

Abraço saudoso do seu amigo

André
 

 

 

 

 

 

 

 

 

Allan R. Banks (USA) - Hanna

 

 

 

 

 

 

Rafael Barreto


From: "rafael do carmo barreto" <rafaelcb22@yahoo.com.br>
To: <soaresfeitosa@uol.com.br>
Sent: Wednesday, July 06, 2005 10:23 AM
Subject: Hanna

Coronel-poeta Feitosa (pense numa patente), o abraço é muito bem recebido ainda mais quando se sabe que é real, nada tendo a ver o do Brutus no imperador de Roma. A saudade também. Mas se der tudo certo no fim de agosto eu estarei de volta, nada a ver também com os adivinhos e profetas, já que estão todos desempregados, não é mesmo?

A propósito, o ensaio-conto é fantástico, a eterna perquirição acerca do belo, uma das constantes angústias do humano.

Abração.

Rafael.
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Allan R. Banks (USA) - Hanna

 

Antônio Miranda

 


Sent: Wednesday, July 06, 2005 4:43 PM
Subject: Hanna
 

Poeta SoaresAntônio Miranda

Um belo texto, sem dúvida... gostei muito. Parabéns. Prefiro-o aos milhares de mensalões, embora os meus poemas não falem de mensalão mas de suas causas... a desagregação partidária, entre outras...

Antonio Miranda
 

 

 

 

 

 

 

 

 

Allan R. Banks (USA) - Hanna

 

 

Washington M. Lemos

 


From: W.M.Lemos
Sent: Wednesday, July 06, 2005 11:40 PM
Subject: Res: Re: Oito Deitado

Poeta, seu conto é maravilhoso, mas sou levado a dizer que a pintura que o deu origem é sem igual!!!! 

Parabéns...

abraço,

W. M. Lemos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Allan R. Banks (USA) - Hanna

Aila Magalhães

 


From: "Aila" <hailamag@yahoo.com.br>
To: "Soares Feitosa" <soaresfeitosa@uol.com.br>
Sent: Friday, July 08, 2005 2:35 PM
Subject: veja só...

 

Feitosa, meu caro...

Fosse eu, compadecida de Teófilo,  não daria a Hanna pernas como as minhas, acho-as um tanto pequenas, embora não sejam assim muito grossas ou finas.  Hanna não seria mulher de poucaAila Magalhães perna, isso não!

Tivesse cruzado com Teófilo numa quermesse, na bodega em hora do pão e leite ou num boteco das tardes preguiçosas de um sábado-final-de-mês, bem poderia ter-lhe dito da impressão de haver avistado Hanna , ou alguma outra cabrocha muito da parecida, posto carregar no olhar a similaridade das mulheres que
nunca crescem completamente. Talvez o lacinho vermelho da blusa empreste-lhe esse ar um tanto juvenil, não sei. O fato é que Hanna lembra muito uma prima que não vejo há anos, de cabelos fartos e longos e pouca conversa. 

Talvez devesse mesmo falar com Teófilo sobre a prima. Penso que nunca casou. Apenas não me consta que goste de vermelho.

Poeta, sempre grata por teu cuidado, peço que forneças meu e-mail ao Teófilo e que recebas meu abraço carinhoso.

Aila
 

   
 

 

 

 

 

 

 

Allan R. Banks (USA) - Hanna

 

 

Sandra Sanches Baldessin

 


Sent: Thursday, July 07, 2005 12:55 AM
Subject: Re: Sandra baldessin
 

Poeta,Regina Sandra Baldessin

Li a história da moça Hanna e de Teófilo, ou a história queFrancisco viu porque tem olhos de ver.

Você bem sabe que sua prosa me cativa!

Sandra

 

 

Scribere - Consultoria em Comunicação Escrita

http://sandraregina.multiply.com

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Allan R. Banks (USA) - Hanna

 

 

 

Henrique Marques Samyn

 

 


From: "Henrique" <trovares@yahoo.com.br>
To: "Soares Feitosa" <soaresfeitosa@uol.com.br>
Sent: Thursday, July 07, 2005 1:53 AM
Subject: material JP

Caro Soares,

Henrique Marques Samyn

Seu conto é instigante, como aliás alguém já comentou — e como, de fato, soem ser essas convergências entre literatura e artes plásticas.

Penso agora nas belíssimas obras de Delacroix com temáticas literárias, que síntese perfeita!

Mostra-nos o texto que muito ainda há de surgir do encontro dessas águas...

Um forte abraço,

H.