Mais de 3.000 poetas e críticos de lusofonia!

Antero Coelho Neto

acoelho@secrel.com.br

Riviere Briton, 1840-1920, UK, Una e o leão

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Poesia:


Ensaio, crítica, resenha & comentário: 


Alguma notícia do autor:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Culpa

 

Um cronômetro para piscinas

 

 

 

 

 

 

 

 

Theodore Chasseriau, França, 1853, The Tepidarium

 

 

 

 

 

Antero Coelho Neto


 

Dados biográficos

 

1. IDENTIDADE: Antero Coelho Neto (11-06-1931)


2. GRADUAÇÃO: Medicina (Universidade Federal do Ceará: 1957)


3. POSIÇÕES E CARGOS:

1. Residência Médica na Casa de Saúde São Miguel, Rio de Janeiro (1957-58)
2. Livre-Docente em Medicina (1961)
3. Pós-Doutorado na Universidade de Harvard (Boston/USA:1962-63)
4. Pesquisador-Associado do Albert Einstein Medical Center (Philadelfia/1963-64)
5. Professor de Medicina da Universidade Federal do Ceará (1959-91)
6. Planejador e Vice-Diretor da Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade de Brasília (1967-72)
7. Planejador e Reitor da Universidade de Fortaleza (1972-80)
8. Superintendente do INAMPS no Estado do Ceará (1982-84)
9. Coordenador do Programa de Ações Integradas de Saúde da Universidade Federal do Ceará (1981-82)
10. Consultor da Fundação Kellogg (1980-1985)
11. Assessor de Recursos Humanos da Organização Panamericana da Saúde /Organização Mundial da Saúde (OPS/OMS) na Venezuela (1985-89)
12. Representante da Organização Panamericana da Saúde / Organização Mundial da Saúde na Colômbia (1989-93).
13. Diretor do Instituto para a Qualidade de Vida (Desde 1993)
14. Consultor de Organizações Públicas e Empresas Privadas (Desde 1995)
15. Coordenador do Pacto de Cooperação pela 4a. Idade-Programa Novas Dimensões - Rádio AM do Povo (Desde 1997)
16. Presidente da Fundação Brasil-Cidadão para a Educação, Ciência e Tecnologia (1997 e 1998). Atual Vice-Presidente (2004-2006)
17. Presidente da Academia de Ciências da Longevidade – ACLON (De Outubro de 1999 a Novembro de 2001)
18. Diretor Geral das Faculdades Integradas do Ceará- FIC- (De Nov. de 1998 a Julho de 1999)
19. Presidente da Mantenedora das Faculdades para o Desenvolvimento Humano – FDH (De Maio de 2000 a Dez. de 2002)
20. Professor-Convidado da UFC/CETREDE - Curso de Especialização em Gerontologia (2002, 2003 e 2004)
21. Professor-Convidado da UECE – Curso Mestrado em Saúde Pública- (De1995 a 2000) Curso de Especialização Saúde do Idoso (2002 e 2003)
22. Professor da Universidade sem Fronteiras – Curso “Vida Longa com Qualidade” (2004)

4. LIVROS E ARTIGOS PUBLICADOS:

1. Artigos publicados (43) em revistas especializadas no Brasil, América Latina e Estados Unidos nas áreas de Saúde, Educação, Planejamento Estratégico, Qualidade de Vida, Desenvolvimento Organizacional e Recursos Humanos.
2. Livros publicados (24) nas áreas da Saúde, Educação, Avaliação, Poesias, Planejamento Estratégico, Desenvolvimento Institucional. (Brasil, Colômbia e Venezuela), Qualidade de Vida e Desenvolvimento Humano.
3. Livros (três) em co-autoria sobre Planejamento Estratégico.(Venezuela).
4. Livros (quatro) como editor em Planejamento Estratégico (Venezuela).
5. Artigos (366) publicados em jornais e revistas sobre assuntos de educação, saúde, gerontologia, política educacional e da saúde, participação comunitária, qualidade de vida e dimensões da vida.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Poussin, Rinaldo e Armida

 

 

 

 

 

Antero Coelho Neto


 

Nosso Amor Comum


Nossos momentos?
Ah! Foram tantos!
O tempo? longo...
e o amor demais.
Embora distantes
ficamos os dois
ligado pelos sonhos.

Quando estivemos juntos
nenhuma dor ou pranto
sempre um frenesi
ora de ardor
ora de afago
ora de orgasmo
ora de tudo
ora de nada
na maior alegria.

Nós dois somente
e ninguém mais,
como na velha canção
tão lugar comum.
Mas nós somos comuns
e comum é o nosso amor.
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Poussin, The Nurture of Bacchus

 

 

 

 

 

Antero Coelho Neto


 

De Novo... A Vida


Depois de um sopro,
de novo a vida.

Depois da grande inércia,
novamente o fluxo.

Depois dos tempos de nada,
novamente a emoção.

Depois da grande ausência,
a enorme alegria do movimento.

Depois de um enorme vácuo,
eis que sou alguém outra vez.

De repente,
o pulsar do sangue,
novamente,
rápido,
o coração a bater,
o sangue a correr.

Vivo de novo,
eu conheci você!
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Poussin, Rebecca at the Well

 

 

 

 

 

Antero Coelho Neto


 

A Criança do meu Passado


A criança chorou longe,
enquanto o tempo de hoje
se fez presente em mim.

Assim o fato de agora
perturba o homem em si
e a criança chora longe.

Sinto o choro distante,
cada vez mais, na imagem
do passado que lembro.

São soluços e são gritos
de fome, raiva e desespero
que hoje ainda persistem.
São diferentes os sentimentos,
mas continuam os mesmos
soluços e gritos da alma.
A criança de ontem
perde-se muito na lembrança,
mas é a mesma que chora agora
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Jean Léon Gérôme (French, 1824-1904), Consummatum est Jerusalem

 

 

 

 

 

Antero Coelho Neto


 

O Início?


Há uma coisa longe,
bem longe, atrás do horizonte
que vem não sei de onde.
Parece luz parece raio.
Lembra tudo e não lembra nada.
Agora é verde, logo amarelo.
Ou é vermelho?
Súbito torna-se opaca.
Volatiliza-se e fica sombra.
Será nossa Origem, nosso Começo?

Há uma coisa longe,
bem longe, não seio que seja.
Parece luz, mas não é.
É muito mais... talvez o Início...
Eu só sei que é longe,
muito longe, muito longe mesmo.
Parece luz, parece raio,
mas não é...
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Jean Léon Gérôme (French, 1824-1904), Plaza de toros

 

 

 

 

 

Antero Coelho Neto


 

A poesia de Soares Feitosa


 

Recebi o teu livro lindo e fiquei lendo e relendo o que ali estava, vendo as palavras, seus diferentes significados e o que elas não precisavam significar porque eu entrava nelas como se fossem minhas..., ou de todo mundo. Estranha sensação que jamais tinha tido antes com qualquer outro poeta..., é como se tudo aquilo fosse meu e não fosse.

Mas devia ser meu porque eu vivia as palavras apesar de algumas serem diferentes das que digo e escrevo. Sei não, alguma coisa meio mágica... Mas, como cada vez entendo menos das emoções, aqui fica o meu dito. Pra frente meu jovem poeta que muito necessitamos de ti.
 


 

Soares Feitosa, 2003

« Leia a obra de Soares Feitosa »
 

 

 

 

 

 

24/10/2006