Mais de 3.000 poetas e críticos de lusofonia!

Alexandre Forte 

Escreva para o editor

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Poesia:


Ensaio, crítica, resenha & comentário: 


Fortuna crítica: 


Alguma notícia do autor:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ruth, by Francesco Hayez

 

Albrecht Dürer, Mãos

 

 

 

 

 

 

 

Delaroche, Hemiciclo da Escola de Belas Artes

 

 

 

 

 

Alexandre Forte



Fortuna Imperatrix Mundi *
 


Minha cabeça sobre as águas: sono de quem sabe o fio do destino!
"O esculpir do tempo"(1) é da humana sina
Vede quantos minaretes! ao que apontam!
Pois uma deusa, outra deusa, contempla meu remanso

Peixes tomam fôlego: mente de Aquário a minha
Que invoco todos os bardos para cantar baladas
E sou musa, a musa de todos os que sonham
Mas, quem não sonha, afogado, há de, um dia, subir às águas:
Minha beleza seduz!

"Porque entre pulso e olhar latejam os ferros da vontade" (2)

O templo ortodoxo em que celebro liturgias
É o colorido dos peixes em cambalhotas no ar

Aberto está a todos os convivas
À entrada curva, um gargalo sob o qual
Não se alcança nem som nem luz:
O velho Hawking(3) na cadeira de rodas,
A sonhar com uma bela noz.

Paixão das almas todas
Das pedras e dos matos
E da gota d'água.

Gota d'água? Meu beijo é doce
E sacia todas as sedes

Vede o brilho dos minaretes, ao espelho da água
Também é do sol esse dourado

Por isso Oceano, ó deus de bravos mares, te perdôo
Não ter escutado meu canto

Sou quem sou. Na esfinge.
Mas, bela, ó mortais!

Sou a tempestade no deserto
O marco de remotas eras
Cavalgo a lua em vários cogumelos

De Hiroshima e Nagasaki e Krakatoa e York nova Babel
Uma pausa: os bombeiros!

Ali se encontraram homens de fé e de ação

Silêncio!

Estava lá chorando como órfã e devota
Pois, toda a humanidade é órfã de si mesma

No entanto, a cada tragédia um novo capítulo da arte
"Só a Arte!"

Contam-me os ventos da banda norte
Haver homens que fogem das serpentes
Que ironia uma coral devorando um deus!

Oh, a luz refrata-se na menina dos olhos
Toda menina irradia sol eu sei
Porque Zeus se rende a mim, quando quero

Nada é mistério, só há um mistério
Sob o qual tudo se resolve:
A atração dos astros e o espasmo da mulher!

Os mortos também tem seu orgasmo:
Misto de ar e éter.

----------------------------------------------------------------

(1) Título da obra do cineasta Andrei Tarkovsky
(2) In Salomão. Inédito. Soares Feitosa.
(3) Stephen Hawking. Autor de "O universo numa casca de noz".

* Fonte: http://www.hal-pc.org/~questers/TARKOVSKY.html
 

 

 

 

 

 

03/05/2005