Paulo dos Santos

Soneto
                                                          
                                  
Fugiu de mim como uma chama ardente,
Daquele amor que lhe ofertei risonho,
Estava triste por não ver o sonho
Futuro, que pensamos longamente.

Aqui a angústia que ficou deponho,
Nestes versos que escrevo inutilmente,
Píra amenizar a minha dor, somente
Para esquecer que agora estou tristonho.

Por que é que existe em mim tanta amargura?
E nos seus lábios rubros a doçura,
Que a minha lira tímida provou...

Um beijo seu, para esquecer jamais,
Porque é amando e lhe querendo mais,
Que vivo oh! Deus, que neste mundo estou.

                       
                                                      Natal, 4 de junho de 1951
                                     
                                                                     
Remetente: Walter Cid

[ ÍNDICE DO AUTOR ][ PÁGINA PRINCIPAL ]
 
 
 
 
 Página editada  por  Alisson de Castro,  Jornal de Poesia,  28  de  Maio  de  1998