Leandro Tocantins

Breve Notícia Sobre Álvaro Pacheco
 
 
            Álvaro Pacheco é um dos mais importantes poetas da nova geração brasileira.  Natural do estado do Piauí, onde nasceu a 26 de Novembro de 1933, veio para o Rio de Janeiro completar os seus estudos, Jurídicos e Sociais. 

            Atraído, desde cedo, pelas letras, ingressa no jornalismo.  Cinco anos de repórter e de redator do "Jornal do Brasil" dão experiência que lhe irá valer em sua vida de empresário. 

            Resolve trabalhar por conta própria: funda e dirige a "Revista Brasileira de Energia Elétrica", a revista "ADVendas", a revista "Arquitetura" e a revista "Capixaba".  Torna-se editor: a fundação da Editora Artenova, com um dos melhores parques gráficos do Rio de Janeiro, revela o homem de empresa moderno e arrojado. 

            A Gráfica e Editora Artenova, ocupando grande área na zona industrial do Rio, instalações próprias, planejadas com bom gosto e arte funcional, é a prova dos nove da sua capacidade realizadora, subsistindo ao lado de uma sensibilidade poética medida pela idealização de universos interiores e exteriores, colateralmente expressos por construções lírico-lógicas. 

            Seus livros de poesia cinco até agora são o apuramento de um espírito tocado pela graça e mistério da criação.  Estreou em 1958 com "O Instante e os Gestos".  Vieram "Pasto da Solidão".  "Margem Rio Mundo", "O Sonho dos Cavalos Selvagens", "A Força Humana". 

            Carlos Drummond de Andrade  realça em Álvaro Pacheco "a confirmação de uma poesia que eu sentira viva e em  desenvolvimento, e que agora se realiza em várias direções e experiências".  Ao ler "A Força Humana", Drummond deteve-se no poema "O Homem de Acrílico", e escreveu: "Os poemas de Álvaro Pacheco tocaram a  este leitor: na era do homem de acrílico a poesia continua a emitir sinais luminosos e confortadores, por mais que se queira esvaziá-la de todo sentido e a sua tem aquela propriedade". 

            Em "O Homem de Acrílico", Álvaro Pacheco extravasa a  angustia do homem envolvido pelas miragens e as realidades novas da civilização. 

            Mas o seu desejo permanece nu (de plástico) na idade nova porque 

                                    Ele sente que há: 
                                    há esperança, o sonho  e outros instrumentos 
                                    de acrílico, da mesma matéria 
                                    de que se fazem os homens 
                                    sobretudo o dilema 
                                    de continuar ou não, de ficar inconsciente 
                                    ou sentir no coração a marijuana, o ópio, a cocaína 
                                    do povo em discurso aberto 
                                    de sobreviver 
                                    e ele sente que há 
                                    sobretudo o problema da circunspeção 
                                    dos olhos fechados (dentro 
                                     dele) ao coração. 

            Dramaticamente, o poeta chega à conclusão de que 
                                    Há 
                                    qualquer desperdício 
                                    não de acrílico, mas de carne viva 
                                    há 
                                    as coisas que não se 
                                    consegue 
                                    como o amor total 
                                    ou a paixão absoluta, há 
                                    o acrílico e suas conseqüências plásticas (e plásmicas) 
                                    no coração do homem: o amor 
                                    de acrílico, plástico, a estender-se 
                                    sem abrigar o homem, seu abrigo 
                                    de plástico, como a seda, leve mas duro 
                                    o frio, impessoal, sem dono 
                                    e longe 

            Álvaro estava na janela de um hotel da Broadway.  A noite nova-iorquina, escorrendo nas cores dos anúncios luminosos, escorrendo gorda e plasmática nas pessoas do vaivém das ruas (da vida).  A hora e a vez do instante do poeta.  Inspiração feita de luzes, de cores, de rios humanos, de sons, de ritmos.  Poesia sensorial e filosófica , essa de "O Homem de Acrílico", fecha o verso assim: 

                                    E haverá sempre o homem de acrílico 
                                    e seus sinais luminosos 
                                    que ninguém pode ler, as suas   
                                    incompreensões, as suas 
                                    infinitas esperanças 
                                    nas manchetes de jornal, nos viadutos 
                                    para levar ao infinito, além de toda a erótica 
                                    além de todo o acrílico, além 
                                    de toda a carne e de toda a esperança 
                                    feita de carne, homem, acrílico 
                                    e plástica. 

            Eis o que define a poesia de Álvaro: o profundo mar azul (e até mágico) de sua poesia.  Sabe extrair das coisas o perceptível sensorial, o absurdo racional.  Decerto, nunca será aquele homem dos versos de Wordsworth que para si a flor amarela na beira do rio era uma flor amarela e não era mais nada. 

            Toda a poesia de Álvaro Pacheco é voltada para a temática universal do homem com os sentimentos de vida que o acompanham eternamente e o  fazem mais humano.  Ele mesmo diz (memória de menino de fazenda no Piauí): 

                                    A vida toda guardada 
                                    no fundo de uma parelha 
                                    de ano de bois, de saudade. 

Mas vida se derrama, embriaga como absinto, leva o  poeta a quintessenciá-la: 
                                    Eis vou-me ter a companheiro da vida 
                                    nos becos e ruelas do sangue em cada pedra 
                                    sangrando cantessência de desejo 
                                    do desejo o sonho nu rasgando corpo 
                                    e os sentimentos milenares carregando 
                                    para dentro do sangue a cor da vida 
poliédrica multidão amplo fluir  
                                    de nós, do só, em torno do esplendor 
                                    do que treme e cheira e alumbra. 

            Assim, Álvaro procura dentro de si, ausculta os homens, sente o mistério das coisas, descobre o sentido oculto delas, alcança o seu sonho de poeta e dá existência ao poema.  A limpidez da água em som fresco e cristalino, rolando em pedras macias.  Como no "Antimatéria-2": 

                                    Eu e antieu 
                                    em cargas compostas 
                                    para o aniquilamento 
                                    em choque sem compensar-se 
                                    em uma zona remota 
                                    dos universos eu 
                                    e antieu, conflito 
                                    de antipartículas 
                                    constantes e partículas 
                                    móveis, alegria, sonho 
                                    e a antimatéria: solidão 
                                    energias em crise propagando-se 
                                    eu e antieu integrados 
                                    nas horas leves, aniquilando-se 
                                    nas emoções e antiemoções 
                                    na desintegração final, morte 
                                    para integrar-se 
                                    nos universos, anti, anti.. 

            o poeta das grandes inquietações universais.  Do homem perdido (e procurando a verdade absoluta) nos enigmas  da criação do homem perplexo diante de mistérios desvendados pela ciência e pela técnica.  Da premonição de tornar-se anti qualquer coisa num mundo oposto ao nosso, que os astrofísicos tentam descobrir nas fontes de radiação especial.  (No seu  "Antimatéria-1": "Antimatéria / (in) existente, mundo / e um antimundo simétrico / matéria oposta e uma / anticriação: para amor / de antes / um antiamor / no futuro".  Da dúvida de existir ou coexistir na plenitude humana ou na vaga silente de matérias cósmicas integradas nos universos anti (Vide "Antimatéria-1"). 

            Em "Balada para o Homem de Braço Forte" (incluído em "A Força Humana" Álvaro descreve a chegada do homem à Lua: Neil Armstrong.  O poeta canta a odisséia espacial do  "Homem do Braço Forte", que estendeu "as pernas recobertas de metal alcançou para sempre / em tênues passadas e descobriu/ a primeira maravilhosa solidão/ e a desolação magnifica do deserto vulcânico".  O homem alcançando "o começo do infinito" 

            Esse "homem de braço forte", de "milhões de olhos siderais  a vigiá-los".  Álvaro Pacheco associa-o a Christophoro Columbus, "cavalgando o espaço e o inacreditável".  E no satélico elegíaco ; da aspiração do amor, da ciência e dos loucos / levantando o pó obscuro desembarcou sorrindo /a chorar como um recém-nascido e recém-nato / a 21 de julho de 1969 / Neil Christopher Columbus Armstrong".  Um achado simbólico na história e no nome do astronauta para compor uma das mais expressivas e líricas páginas que se escreveram sobre a  nossa aventura lunar, através da 

                                    Estrada aberta no mar 
                                     e erguendo para os céus no rastro dos foguetes 
                                    e todos os velhos deuses 
                                    (revividos e triunfantes (Apolos, Saturnos, Júpiteres} 
                                    a viajarem com os mortos para o infinito 
                                    que não era apenas o horizonte além do mar 
                                    além das terras desconhecidas da América 
                                    mas o próprio conhecimento 
                                    [conquistado, a fronteira levada 
                                    além do mundo, além da 
                                                            [fantástica loucura 
                                    de querer o impossível e ir 
                                                                        [buscá-lo. 

            Rasgando o horizonte antes impossível, a fogo, aço e vontade, abre-se a nova fronteira da inquietação humana: 

                                                E pela primeira vez na história do homem 
                                                a visão do deserto trouxe alegria ao coração 
                                                e era como se dele brotasse o figo e o mel 
                                                e ele fosse de fato a terra prometida 
                                                nessa superfície inóspita, selvagem, agressiva 
                                                e mortal, embora cheia de promessas 
                                                 e milagres, dos quais o maior 
                                                era estar ali o homem do braço forte 
                                                transmitindo sua voz e sua imagem 
                                                carregado de máquinas e de esperanças 
                                                e carregando consigo o espaço 
                                                afinal para sempre conquistado. 

            Um poeta (co)participante.  Provocante.  Sabe ir da aventura sidérica, da extrapolação astrofísica ao lírico-existencial com a força que o verdadeiro poeta  que guarda na morada de sua natureza invisível.  o caso do poema "Mulher", incluído no livro "O Sonho dos Cavalos Selvagens": 

                                    Ah, que bicho é este chamado  
                                                                        [mulher 
                                    que mistério se esconde em 
                                                [suas entranhas 
                                    que o faz tão razão de ser tudo 
                                                            [e  ser nada 
                                    e o fogo no mundo, e o fogo 
                                                            [no mundo! 
                                    ............................................... 
                                    ah, e quem explica este bicho 
                                                                        [invisível 
                                    em sua forma corpórea 
                                                            [carbonitrada 
                                    que é uno e plural (a estrela 
                                                                        [palpável) 
                                    o agente completo do bem e 
                                                                        [do mal? 
            A palavra e o ser estão permanentemente uniformes, harmônicos na soma de poesia desse autor que caminha, sem atalhos, na estrada da perfeição artística, e do Rio de Janeiro chega-me um poema inédito de Álvaro Pacheco.  Antológico.  Do Dia de Finados ele arma uma visão poética totalizante: a vida e a morte em caminhos de ida e de volta "desse nosso todo Dia de Finados". 
O Dia de Finados 

                                    Um sino não ressoa nem a hora 
                                    é de lágrimas no muro de concreto 
                                    não se fala de morrer e nem de mortos 
                                    e há dia em tudo que é azul reverberante 
                                    no homem de finado de uma nova 
                                    geração em que a morte é endovenosa 

                                                  (..............) 
                                    toda hora é de morte e todo o dia 
                                    é Dia de Finados, precisamos 
                                    para isso permanência, e oh  irmãos 
                                    tenhamos plenos, olhos plenos braços plenos  
                                    em um dia qualquer e em todo dia 
                                    desse nosso todo Dia de Finados. 

                                    (O freunde, nicht diese Tone 
                                     Sondern lasst uns angenehmere 
                                    anstimmen, und freudenvollere).

 
 

[ ÍNDICE DO AUTOR ][ PÁGINA PRINCIPAL ]
 
 
 
 
 Página editada  por  Alisson de Castro,  Jornal de Poesia,  22  de  Julho  de  1998