Leonel Neves 

Lembrança da Segunda Grande Guerra
       
                                                                                   
Uma manhã chegou a guerra. Do Japão.
Veio e aqui ficou talvez dois ou três anos.
De japoneses havia uma divisão;
julgo que só trezentos, dos australianos.

Como eram poucos, eram bons. Os outros, não:
matara-me vizinhos, o meu pai, dois manos.
O meu homem fugiu e ajudou no Subão
dois loiros a afogar cem dos mais desumanos.

Naquela noite, entrou-me em casa uma baioneta.
Um soldado amarelo e súbito agarrou-me
eu estava sozinha e deitou-me depressa.

Deixei-o possuir-me, silenciosa e quieta;
e, quando adormeceu, sem perguntar-me o nome,
peguei numa catana e cortei-lhe a cabeça.

         
                                               (In Memória de Timor Leste, Pedra Formosa, Edições,
                            Lda, 1989  ISBN 972-8118-15-5)
       
           
Remetente : Antonio Pedro Braga 

[ ÍNDICE DO AUTOR ][ PÁGINA PRINCIPAL ]
 
 
 
Página editada por  Alisson de Castro,  Jornal de Poesia,  23 de dezembro de 1997