João Mendes da Cunha

O Poder da Palavra
                  
                                                                                                     Passarão os céus e a terra, mas não
                                                                                              passarão as minhas palavras
 
Com a palavra, Cícero ficou 
imortal, acusando CATALINA; 
e o genial VIRGÍLIO, co'a heroína 
obra chamada ENEIDA, rebrilhou. 

            O tempo ao COLISEU desmoronou, 
            e dele, hoje, só nos resta ruína; 
            muitos nobres senhores de ouro e mina, 
            nem a história,  sequer,  os conservou, 

                        Porém DANTE, SHAKESPEARE  e CAMÕES, 
                        quanto mais velho, mais valorizados 
                        por todas sucessivas gerações: 

                                    seus livros serão sempre admirados 
                                    pelos sábios de todas as nações, 
                                    pois são a luz dos clássicos sagrados.

 
                                        
Remetente: Zé Pesado

[ ÍNDICE DO AUTOR ][ PÁGINA PRINCIPAL ]
 
 
 
 
 Página editada  por  Alisson de Castro,  Jornal de Poesia,  15  de  Maio  de  1998