Judith Grossman

A Interlocução Interminável
 
 
O teu luto em mim
Dura perdura.
E antes sem saber de tua morte
Por sete dias ainda convivera com o vivo.
Conversávamos à distância
Por passarelas jamais subiste 
Quando já estavas de volta 
À cidade onde nascemos 
No salão nobre do solar
Do Barão da Lagoa Dourada
No Liceu onde estudamos
Ginasianos em nossos uniformes
Pela mítica escada

Que imensa pode ser esta palavra!
Naquela sala de espera
Abri a Veja de 12 de maio 
E li não mais estavas:
"Conferencista brilhante".
Eras muito mais.
Desde menino
Aquele que comovia os minerais.
Mas o que se poderia dizer de ti
Sem risco de errar
Se nem ser ao vivo te cabia?
Por noites e noites
Esgrimi a grande falta.
Não é úmida a morte
Ela resseca ao meio-dia nos varais.
Agora apenas caminho
Não indago nada.
E minha vida se reata
Sob o teu signo permanente
Para contar a tua história.
O resto é silêncio.
 

[ ÍNDICE DO AUTOR ][ PÁGINA PRINCIPAL ]
 
 
 
 
 Página atualizada  por  Alisson de Castro,  Jornal de Poesia,  06  de  Agosto  de  1998