Grácia Passos

Rosa Chá
                                 
                                                                               
                           
Estática
fitando o infinito
escutando conversas
guardando segredos
O seu tom ilumina a estante
sua solidão enfeita meu quarto
o vento, casualmente, faz uma carícia.
A rosa chá vive pouco,
a velhice chega
quando, cansada, ela se despe
e com um resquício de emoção
atira suas pétalas
como uma atriz que se curva
agradecendo a um público
que muitas vezes nem notou que ela estava ali.
                                                                     

[ ÍNDICE DO AUTOR ][ PÁGINA PRINCIPAL ]
 
 
 
 
 Página atualizada  por  Alisson de Castro,  Jornal de Poesia,  09  de  Junho  de  1998