Arthur Fortes



Mágoa Renitente

Há nesta vida instantes dulçurosos Concedidos às almas desgraçadas, Que são, bem como as claras madrugadas, Alvos, meigos, brilhantes, luminosos! Esquecidos da mágoa, descuidosos, Vamos então a rir pelas estradas, Vendo alegres nas flores orvalhadas A miragem dos dias venturosos! Foi-me cedido o dúlcido momento De me não mais ralar esse tormento Desta ausência cruel, nossa inimiga! Mas, ai de mim! Depressa te partiste, E invadiu-me de novo a dor antiga, Escura e fria, pavorosa e triste.


* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *