Arthur Fortes



Noite de Estio

Há pelo espaço imenso uma alma sonhadora, De um artista genial, de um noturno pintor, Que o seu painel debuxa assim como se fora Em pleno mês de maio uma campina em flor! A sua imensa tela é quase que sem cor!... Fantástico jardim que rápido se enflora Ao traço magistral do oculto sonhador Que alvas rosas de luz espalha espaço em fora! Para realce talvez uns traços carregados, São por pontos de luz, vivamente rasgados Aqui, ali, além, nalgum canto vazio! E todo esse esplendor, e toda essa magia, Se repetem constante assim que morre o dia E cai por sobre a terra uma noite de estio.


* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *