Armindo Trevisan


Se Fosse Dia Amor

Se fosse dia Amor e o espinho rebentasse da terra dos claros olhos da terra e fosse espinho em silêncio no meio das palavras e as palavras doessem no lugar dos dedos onde a lisura da pele estoura em rocio sob o casco dos cavalos ah se fosse silêncio entre a carne e o espírito e a flama cobrisse os lábios e os nervos atrelassem ao sol as coisas e elas ardessem na língua do mundo eu te apertaria Amor contra uma nebulosa e te extrairia da boca de Deus quando Ele te soprou para a morte em meus braços em meus braços cobertos do musgo de mil outros braços.


* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *