Arruda Furtado


Ao Miguel

Nas gênesis remotas sempre honradas, No atavismo que bem em ti reponta, Estão graças que foram dispensadas A ti, pelo Senhor, graças sem conta. Tais riquezas por ti aproveitadas Tornaram-te melhor, em alta monta, Sem vaidades (por ti bem desprezadas), Suportando, humilde, toda afronta. Quando celebras teus noventa anos, Com toda tua família congregada, Teus irmãos todos, igualmente ufanos, Desejam-te na data consagrada, De coração, augúrios dos mais lhanos Sob as bênçãos da Mãe Imaculada.


* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *