António Arnaut

Portucale

As montanhas abrem alas. Vai passar o rio d'ouro da lusa madrugada. Ansias em socalcos sobre o vale a saudar o começo da vida: Portucale não é porto de chegada, é o sal e a fome aventurosa da partida.


* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *