Antônio Ribeiro da Costa


Soneto

Um menino na flor de sua idade, que era a mesma flor pela beleza, experimenta entre as flores a fereza de um Áspid, e sua crueldade: colhe a flor, e do Áspid a crueldade, a qual sempre observou por natureza fazendo entre as flores sua empresa donde oculta a maior sagacidade. O menino era flor no delicado, e no tenro era flor como se via, na duração foi flor em flor cortado; como em tudo com flor se parecia, vendo-se como flor estar tocado, acabou como flor dentro em um dia.


* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *