Almeida Garrett

Não te Amo
 
                       Não te amo, quero-te: o amor vem d'alma. 
                       E eu n 'alma tenho a calma, 
                       A calma do jazigo. 
                       Ai! não te amo, não. 

                       Não te amo, quero-te: o amor é vida. 
                       E a vida nem sentida 
                       A trago eu já comigo. 
                       Ai, não te amo, não! 

                       Ai! não te amo, não; e só te quero 
                       De um querer bruto e fero 
                       Que o sangue me devora, 
                       Não chega ao coração. 

                       Não te amo. És bela; e eu não te amo, ó bela. 
                       Quem ama a aziaga estrela 
                       Que lhe luz na má hora 
                       Da sua perdição? 

                       E quero-te, e não te amo, que é forçado, 
                       De mau, feitiço azado 
                       Este indigno furor. 
                       Mas oh! não te amo, não. 

                       E infame sou, porque te quero; e tanto 
                       Que de mim tenho espanto,                       
                       De ti medo e terror... 
                       Mas amar!... não te amo, não. 

 

 Remetido por Alfredo José Brites 
[ VOLTAR ][ PÁGINA PRINCIPAL ]
 
 
 Página editada por  Carlos Rosemberg,  Jornal de Poesia,  25 de novembro de 1997