Almeida Garrett

Gozo e Dor
 
Se estou contente, querida, 
Com esta imensa ternura 
De que me enche o teu amor? 
Não. Ai não; falta-me a vida; 
Sucumbe-me a alma à ventura: 
O excesso do gozo é dor. 

Dói-me alma, sim; e a tristeza 
Vaga, inerte e sem motivo, 
No coração me poisou. 
Absorto em tua beleza, 
Não sei se morro ou se vivo, 
Porque a vida me parou. 

É que não há ser bastante 
Para este gozar sem fim 
Que me inunda o coração. 
Tremo dele, e delirante 
Sinto que se exaure em mim 
Ou a vida ou a razão. 
 
 

 Remetido por Alfredo José Brites 
[ VOLTAR ][ PÁGINA PRINCIPAL ]
 
 
 Página editada por  Carlos Rosemberg,  Jornal de Poesia,  25 de novembro de 1997