Almeida Garrett

Estes Sítios !
 
                       Olha bem estes sítios queridos, 
                       Vê-os bem neste olhar derradeiro... 
                       Ai! o negro dos montes erguidos, 
                       Ai! o verde do triste pinheiro! 
                       Que saudades que deles teremos... 
                       Que saudade; ai, amor, que saudade! 
                       Pois não sentes, neste ar que bebemos, 
                       No acre cheiro da agreste ramagem, 
                       Estar-se alma a tragar liberdade 
                       E a crescer de inocência e vigor! 
                       Oh! aqui, aqui só se engrinalda 
                       Da pureza da rosa selvagem, 
                       E contente aqui só vive Amor. 
                       O ar queimado das salas lhe escalda 
                       De suas asas o níveo candor, 
                       E na frente arrugada lhe cresta 
                       A inocência infantil do pudor. 
                       E oh! deixar tais delícias como esta! 
                       E trocar este céu de ventura 
                       Pelo inferno da escrava cidade! 
                       Vender alma e razão à impostura, 
                       Ir saudar a mentira em sua corte, 
                       Ajoelhar em seu trono à vaidade, 
                       Ter de rir nas angústias da morte, 
                       Chamar vida ao terror da verdade... 
                       Ai! não, não... nossa vida acabou, 
                       Nossa vida aqui toda ficou. 
                       Diz-lhe adeus neste olhar derradeiro, 
                       Diz à sombra dos montes erguidos, 
                       Di-lo ao verde do triste pinheiro, 
                       Di-lo a todos os sítios queridos 
                       Desta rude, feroz soledade, 
                       Paraíso onde livres vivemos... 
                       Oh! saudades que dele teremos, 
                       Que saudade! ai, amor, que saudade! 
 
 
 Remetido por Alfredo José Brites 
[ VOLTAR ][ PÁGINA PRINCIPAL ]
 
 
 Página editada por  Carlos Rosemberg,  Jornal de Poesia,  25 de novembro de 1997