Antonio Ferreira dos Santos Júnior



Nossa Senhora da Piedade

Acolho-te em meus braços Corpo exangue no cansaço Dos beijos e da comunhão. És agora o filho que não tive: Pernas distanciadas, flexionadas Sobre meu corpo em solidão. Foi tão profundo o encontro Foi tão dor e alegria E o momento eterno, agonia. Não te vejo mais como humano, Teus olhos semi - cerrados ardem Na antiga posse já redimida. Não te vejo mais como irmão, Tua boca semi - aberta, dentes Que foram instrumentos de paixão. Foste um Deus em meu caminho, Jato de luz, campo de flores e carinhos, Plenitude de êxtase e desejos. Foste um Deus vivo em minha vida E agora, lasso, te sustento em meu abraço, Homem que se entregou ao longe do espaço...


* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *