Assis Brasil

O Sonho dos Cavalos Selvagens
 
 
            Depois da publicação de "Margem Rio Mundo", o poeta piauiense Álvaro Pacheco retorna com o livro de poemas "Sonho dos Cavalos Selvagens".

            Se no livro anterior havia a presença maior do sentimento da terra e em segundo plano a fatuidade humana, neste "O Sonho dos Cavalos Selvagens" o poeta concentra a sua visão num sentimento de nostalgia do homem e das coisas circunstantes.  A brevidade do amor, das ilusões, o mistério da mulher, marcam o travo dos últimos poemas de Álvaro Pacheco.

            O poeta usa, de preferência, o verso livre, dando à estrutura de cada poema um ritmo próprio sua linguagem é suficiente e limpa, e embora trate dos temas chamados "eternos" da poesia, não cai no tradicionalismo verbal de alguns poetas que não conseguiram evoluir.

            Álvaro Pacheco está ligado, assim, a uma corrente que faz da poesia o sentimento de seus humores e de suas idéias, a uma poesia que é mais veiculo do que propriamente criação, e que se nutre de uma visão humana das coisas ("O Sonho dos Cavalos Selvagen)s.

 
                                                                       JORNAL DE LETRAS, Abril 1967
 

[ ÍNDICE DO AUTOR ][ PÁGINA PRINCIPAL ]
 
 
 
 
 Página editada  por  Alisson de Castro,  Jornal de Poesia,  22  de  Julho  de  1998