Celso Pinheiro


Mater

A minha me, uma velhinha doce, De olhar de mel e beijos de torcazes, A minha me, coitada! talvez fosse A dindinha dos cravos e lilases!... No seu ventre bendito Ela me trouxe Nove meses... E um dia, sob audazes Raios de sol primaveril, notou-se Que surgira um beb de olhos vivazes... Era eu! era um poeta extravagante, Que nascera sem festas nem alardes, Quando o dia era um lmpido diamante... A minha me... matou-a o ms de Agosto! E por Ela que eu vou todas as tardes Rezar na capelinha do Sol-posto!...


* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *